Presidente da Codeba espera ampliar volume de importação de fertilizantes no Porto de Aratu-Candeias em 2017


Em entrevista ao GlobalFert, o Presidente da Codeba, Pedro Dantas, falou sobre as perspectivas de importação de fertilizantes em 2017 e possíveis ampliações de capacidade de movimentação no Porto de Aratu-Candeias. 

Pedro Dantas é Advogado e já trabalhou na Codeba, entre 1995 e 2003, como Coordenador de Assuntos Estratégicos, sendo responsável na época pela formatação da reforma administrativa vigente até hoje na Companhia. Ele também já foi Secretário de Transportes e Infraestrutura na Prefeitura de Salvador, Presidente da Companhia de Transporte de Salvador (CTS) e Diretor-Geral do Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Em relação à movimentação total do ano de 2016, quanto representa a importação de fertilizantes em termos percentuais no Porto de Aratu-Candeias?

Os fertilizantes representam cerca de 58% de toda carga movimentada, no viés Graneis Sólidos. Em relação a toda movimentação do porto (sólidos e líquidos) representam 16% do total.  

Em 2015 foram movimentadas aproximadamente 831 mil toneladas de fertilizantes no Porto de Aratu-Candeias. Qual foi o volume de fertilizante desembarcado no porto em 2016 e quais são as perspectivas para 2017?

Em 2016 a movimentação total de fertilizantes somou 811.236 toneladas e rocha fosfática 150.243 toneladas. Visto que em 2015 foram movimentadas 1.035.000 toneladas.

Com relação a 2017, perspectiva de incremento na ordem de 5% em relação ao último período, caso as condições climáticas da região do oeste baiano sejam mais favoráveis em relação à seca do ano que passou e os preços das commodities correspondam aos interesses econômicos dos produtores agrícolas da soja, milho e algodão.  

Quais são as principais origens dos navios de fertilizantes que desembarcam no Porto de Aratu-Candeias?

Os fertilizantes vêm do Chile, Oriente Médio, América do Norte e Atlântico Norte. 

O Porto de Aratu-Candeias é responsável por 60% de toda a carga movimentada na Bahia. Além dos investimentos recentemente divulgados, existem planos para novas intervenções no longo prazo para ampliar a capacidade de movimentação?

O porto tem condições de absorver uma demanda de minério de ferro para exportação, mas, tudo depende do comportamento do mercado externo, principalmente da economia chinesa. Previsão para atender a esta demanda está no Planejamento Estratégico da CODEBA para 2017/2018. Os demais produtos devem manter o patamar dos últimos anos.

Sobre a CODEBA

A Companhia das Docas do Estado da Bahia (CODEBA) é empresa de sociedade mista, vinculada à Secretaria de Políticas Portuárias do Ministério dos Transporte, Portos e Aviação Civil (SPP-MTPAC). Na função de Autoridade Portuária, administra os Portos de Salvador, Aratu-Candeias e Ilhéus. 

Sobre o Porto de Aratu-Candeias 

Inaugurado em 1975, Aratu-Candeias é, isoladamente, a unidade portuária do Complexo da Bahia com maior movimentação de cargas. Em 2016, superou a média dos últimos cinco anos, encerrando o ano com movimentação de 6,3 milhões de toneladas, 2,7% acima do resultado de 2015. Sua área de influência se estende a Sergipe, Alagoas, Oeste de Pernambuco e Leste de Minas Gerais, operando com quatro terminais para a movimentação de granéis sólidos, produtos líquidos e gasosos. 

Entre os principais produtos movimentados estão minérios de ferro, manganês e cobre, fertilizantes, nafta, propeno e concentrado de cobre.

 

Equipe GlobalFert, 22/02/2017



Cadastre-se e receba semanalmente e gratuitamente direto em seu e-mail a Newsletter do GlobalFert.



© 2017 GlobalFert - Todos os direitos reservados

Principal provedor de informações
estratégicas no mercado de fertilizantes