Culturas

Centro de pesquisa virtual estuda uso eficiente do nitrogênio

A Universidade Federal de Goiás (UFG), em parceria com a Embrapa Arroz e Feijão e o Instituto Federal Goiano (IFGoiano), participa do Nucleus, um centro de pesquisa virtual criado pelo Brasil e pelo Reino Unido com o objetivo de aumentar a eficiência do uso do nitrogênio na agricultura, por meio de uma abordagem integrada de sistemas-solo-planta. O 2º Workshop do Nucleus foi realizado em Goiás neste mês. O evento teve como finalidade reunir pesquisadores e estudantes de pós-graduação que atuam no centro de pesquisa virtual.

A primeira fase do projeto tem duração prevista de três anos. Na safra 2016-2017, a equipe de Goiás instalou os primeiros experimentos de campo com as seguintes atividades: uso de sensores de plantas para determinar o status de nitrogênio nas culturas de arroz, milho e sorgo; novas fontes de nitrogênio e emissão de gases do efeito estufa na sucessão arroz irrigado e soja; uso de biochar e adubo verde como fonte de nitrogênio e sequestro de carbono no arroz irrigado; análise de emissão de gases do efeito estufa no arroz de terras altas em sistemas integrados.

A equipe de Goiás é coordenada pela pesquisadora da Embrapa Arroz e Feijão Mellissa Ananias Soler da Silva. Fazem parte da equipe os professores Virgínia Damin e Rilner Alves Flores, ambos da Escola de Agronomia da Universidade Federal de Goiás (EA/UFG), além dos professores do IFGoiano Gustavo Castoldi e Carlos Ribeiro Rodrigues.

Os recursos externos são do Fundo Newton, sendo a contrapartida brasileira dada pelas agências de fomento de cada região envolvida. Desse modo, a equipe de Goiás recebeu financiamento de quase R$ 2 milhões da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) para as atividades previstas nos primeiros três anos (2016-2019).

Planos de ação

O Nucleus tem seis planos de ação: tecnologia de sensores para melhorar o uso eficiente do nitrogênio na produção agrícola; conectar os impactos das condições físicas e ciclagem do nitrogênio no crescimento das plantas; manipulação do sistema radicular das plantas para melhorar o uso eficiente do nitrogênio; aumento do uso eficiente do nitrogênio por meio da aplicação de condicionadores do solo; estratégias para aumento da eficiência agronômica do nitrogênio em sistemas de produção de arroz irrigado e de terras altas; sensibilização, capacitação e formação técnica e difusão dos resultados.

Participam do projeto a Universidade de São Paulo (USP); Instituto Agronômico de Campinas (IAC); Universidade Estadual Paulista (Unesp); Universidade do Oeste Paulista (Unoeste); Universidade Estadual do Maranhão (Uema); Instituto Federal Goiano (IFGoiano); Universidade Federal de Goiás (UFG); e Embrapa Arroz e Feijão. Do Reino Unido participam University of Nottingham; Aberdeen University; Bangor University; e Rothamsted Research.

 

Ascom UFG/Fapeg, 23/03/2017

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo