Colunistas

Panorama e Tendências do Mercado de Fertilizantes

Mercado de Fertilizantes 2021:
Estima-se que as entregas de fertilizantes no ano de 2021 irão atingir 44 milhões de toneladas ante 40,56 milhões de toneladas entregues no ano de 2020 (crescimento de mais de 8%). Se não fosse os problemas ligados a logística interna de distribuição (fretes) e problemas ligados ao frete marítimo global, este volume poderia ser ainda maior.
E apesar de nosso país ser esta potência agrícola, de todo fertilizante utilizado em nosso rico solo brasileiro, 75% é importado e apenas 25% é produzido por nós, sendo o Cloreto de Potássio o produto importado em maior quantidade, seguido da Ureia e depois MAP.
As negociações dos produtos para as principais culturas para o 2° semestre de 2021 estão praticamente finalizadas e, para o 1° semestre de 2022, estima-se que mais de 34% das necessidades de fertilizantes já foram adquiridas.
A relação de troca está nos piores patamares dos últimos anos devido às altas nos preços dos fertilizantes e os preços das commodities agrícolas não acompanharam esta alta.
Os preços elevados nos fertilizantes reduziram o poder de compra dos produtores, mas com a demanda aquecida devido aos altos preços das principais commodities, o mercado de fertilizantes não deverá ser afetado.

Nitrogenados: tendência de alta para os próximos dias/semanas no mercado internacional, pois deveremos ter uma sexta licitação de Ureia na Índia com volumes significativos; Nos EUA devido ao furacão IDA, foram registrados problemas em algumas plantas produtoras de nitrogenados da região. No Brasil devemos acompanhar as tendências do mercado internacional;
Destaque no gráfico abaixo em que apresenta a variação de aproximadamente 90% da ureia em um ano (set/20 – set/21)

Fosfatados: Tendência dos preços internacionais operando em razoável estabilidade até final deste ano. As relações de troca desfavoráveis momentaneamente tendem a impedir novos fortes variações nos preços deste produto.
– Ocorreram altas recentes nos EUA nos últimos dias devido principalmente ao furacão IDA, que ocasionou perda na produção de algumas plantas produtoras deste macronutriente.
– Está ocorrendo um ajuste/alinhamento entre fornecedores e compradores devido à imposição dos EUA de barreiras tarifárias para as empresas marroquinas e russas.
– As exportações chinesas podem ser limitadas após o governo publicar que primeiramente deve-se priorizar e garantir o suprimento interno.

Destaque no gráfico abaixo em que apresenta a variação de aproximadamente 100% do MAP em um ano (set/20 – set/21).

Potássio: Deve-se atentar para o mercado de potássicos, pois com as sanções anunciadas pela União Europeia, Estados Unidos, Canadá e Reino Unido à Bielorrússia, segunda maior produtora de potássio, há uma forte insegurança e preocupação do lado dos compradores mundiais e possíveis problemas relacionados a logística para escoamento do produto que podem acarretar altos preços.
Apesar da relação de troca não estar favorável neste momento, a tendência a curto e médio prazo no mercado internacional ainda é de alta, principalmente devido ao possível fato do desabastecimento.
Brasil: podemos também ser afetados diretamente por uma redução da oferta, fazendo com que os preços continuem em patamares elevados com tendência de alta a curto e médio prazo;
Destaque no gráfico abaixo em que apresenta a variação de aproximadamente 190% do KCl em um ano (set/20 – set/21)


Principais Pontos de Atenção:
– Prazos de entrega e disponibilidade de produto são maiores preocupações devido à janela de plantio, principalmente Cloreto de Potássio (KCl);
– Demurrage nos portos: maioria dos portos em torno de 25 a 35 dias;
– Frete marítimo internacional em momento desafiador: alta demanda, refletindo altos preços e atrasos;
– Logística para distribuição, no curto e médio prazo os fretes continuarão altos: qualquer evento de desvio no fluxo de transporte colocará em risco a disponibilidade do fertilizante no momento esperado pelo produtor;
– Notícia publicada dia 15 de setembro de 2021 em Beijing (China): dizendo que uma das principais regiões produtoras de fosfatados da China (região de Yunnan) poderá sofrer limitações quanto ao uso de energia e isto poderá afetar a produção, mas ainda são especulações que poderão ou não se concretizar;
– Os preços dos micronutrientes estão acompanhando as fortes altas dos últimos meses dos macronutrientes e a tendência no curto e médio prazo é da continuidade de elevação nas cotações;
– E sem dúvida temos que ter fé que nossa querida e amada natureza nos abençoe com a “CHUVA”;

Relação de Troca das principais culturas: soja / milho / café / açúcar

Soja:

Milho:

Café:

Açúcar:

 

Ricardo Curione, Diretor da HINOVE Agrociência

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 5 =

Botão Voltar ao topo