Colunistas

Tendências no mercado global de Fertilizantes

Mercado de Fertilizantes 2021:

Grandes mudanças ocorreram desde a última publicação no mês anterior e estão causando impactos diretamente na cadeia produtiva não apenas do Brasil, mas globalmente.

A relação de troca piorou para os produtores com estas fortes altas dos fertilizantes nas últimas semanas;

As principais matérias primas de fertilizantes subiram mais de 100% em 2021. O KCl (potássio) era o líder de altas até poucas semanas atrás, mas, nestas últimas semanas foi ultrapassado pela Ureia, fato este devido principalmente a crise energética global, parada de algumas plantas produtoras e problemas logísticos;

O Brasil é o 4º maior consumidor de fertilizantes mundialmente, atrás de China, Índia e EUA (estes 4 países juntos representam quase 60% de todo consumo mundial), e o Brasil tem só 2% da produção global, ou seja, somos totalmente dependentes das importações

Os preços dos Fertilizantes: Tendências

Fatores altistas devem influenciar os preços dos fertilizantes no mercado internacional neste último trimestre do ano, não sendo diferente no Brasil;

Nitrogenados: altas significativas no período devido à forte escalada de preços de gás natural na Europa, Ásia e USA (devido à crise energética), juntamente com os preços firmes das safras; retorno da Índia ao mercado de compras internacional; possíveis medidas de restrição de exportação pela China (governo deverá impor restrições ou taxas e impostos para exportação); novos cortes de produção foram anunciados nos países produtores; continuam a impulsionar os preços da Ureia para níveis recordes globalmente;

Boatos de que a Rússia poderá aumentar o fornecimento de gás à Europa estão sendo avaliados para minimizar estes impactos;

A atual situação do gás europeu se mantém improvável de ser resolvida em breve e unidades de produção europeias devem permanecer fechadas por alguns meses;

As perspectivas para a Ureia a curto e médio prazo são de alta;

Fosfatados: os preços internacionais nas últimas semanas apresentaram novas altas principalmente: devido as novas publicações do governo Chines que irá restringir ou até proibir as exportações, para garantir que a demanda doméstica seja atendida; no Brasil, a demanda de importação do MAP aumenta; EUA e Índia entrando no mercado comprando volumes significativos; alta significativa do ácido fosfórico (matéria prima); também contribuíram para esta alta;

Potássio: ainda há dúvidas sobre o endurecimento ou se irá vigorar as sanções principalmente da União Europeia (UE) e Estados Unidos contra as exportações da Bielorrússia e que poderão limitar a oferta global deste fertilizante; os preços estão firmes, apresentando altas nas últimas semanas. 

Principais Pontos de Atenção:

– Já se cogita a possível falta de fertilizantes para safrinha de milho (2022), bem como para outras culturas safra 2022/23; 

– Para a próxima safra, alguns produtores pensam em optar pela menor aplicação de fertilizantes;

– A demurrage nos portos continua alta: maioria dos portos em torno de 25 a 35 dias, ocasionando atraso na entrega das matérias primas para as indústrias como produtoras e misturadoras;

– Alguns produtores ainda não receberam seus fertilizantes por atraso na entrega pelas indústrias, somado aos problemas logísticos que enfrentamos no Brasil, isto poderá afetar a janela de plantio ideal;

– Os preços dos micronutrientes estão acompanhando as altas dos macronutrientes e a tendência no curto e médio prazo é da continuidade de elevação nas cotações;

– A abençoada chuva chegou nas diversas regiões do nosso Brasil e está favorecendo o plantio e esperamos que continue com regularidade para termos uma excelente safra;

– “Crise no Campo”: na última semana, a liderança de nosso país esteve reunida e publicou/citou que o Brasil poderá sofrer um desabastecimento de alimentos em 2022 devido à falta de fertilizantes causada pela diminuição da fabricação chinesa e de outros produtores internacionais e da crise energética global. A declaração ocorreu durante a cerimônia de modernização de normas de segurança e saúde no trabalho, no Palácio do Planalto.

Durante a reunião com a frente parlamentar da agricultura, a crise foi discutida e a Secretária Especial de Assuntos Estratégicos apresentou o Plano Nacional de Fertilizantes, que está sendo discutido desde o mês de abril. “Hoje as principais preocupações giram em torno da restrição das exportações da China, que devem afetar principalmente os mercados de fosfatados e nitrogenados”; isto ocorre em função da dificuldade de oferta no país e a priorização do abastecimento interno em detrimento das exportações. Também existem problemas geopolíticos afetando outros países e mercado, como é o caso das restrições comerciais na Bielorrússia que afetam diretamente a oferta de potássio. Na prática, com a elaboração do Plano Nacional de Fertilizantes, o Governo Federal quer diminuir a dependência externa e ampliar a competitividade do agronegócio brasileiro no mercado internacional.

É bom lembrarmos que:

“A cada cinco pratos de comida no mundo, um sai do Brasil”.

Relação de Troca das principais culturas: soja / milho / café / açúcar

Relação de Troca da Soja:

Relação de Troca do Milho:

Relação de Troca do Café:

Relação de Troca do Açúcar:

Ricardo Curione, Diretor da HINOVE Agrociência

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo