Entrevistas

Globalfert entrevista a IFA – Associação Internacional de Fertilizantes – sobre expectativas futuras para o mercado fertilizantes

A Associação Internacional de Fertilizantes (IFA) é a única associação global de fertilizantes, reunindo mais de 400 membros com a missão de promover a produção, distribuição e uso eficiente e responsável de nutrientes para as plantas. Esta missão desempenha um papel crítico em alimentar o mundo de forma sustentável. Os membros da IFA incluem produtores, comerciantes e distribuidores de fertilizantes, bem como suas associações, prestadores de serviços para a indústria, organizações de pesquisa, start-ups da Agtech e organizações não governamentais.
Alzbeta Klein é CEO e diretora geral da IFA. Em sua função, ela está liderando a indústria global de fertilizantes no sentido de criar e apoiar sistemas agrícolas produtivos e sustentáveis ​​que contribuem para um mundo livre de fome e desnutrição. Em suas funções anteriores, a Sra. Klein liderou o Climate Business da IFC / Grupo Banco Mundial, posicionando a IFC como um investidor líder em investimentos verdes / ESG em mercados emergentes. Antes disso, ela liderou os investimentos em agronegócios e industriais da IFC e administrou a carteira de investimentos de US $ 50 bilhões da IFC em mercados emergentes.

[GlobalFert] Como podemos usar fertilizantes de forma mais eficiente, permitindo sistemas agrícolas mais sustentáveis?

[IFA] Pessoas, dados e tecnologia são essenciais para o uso eficiente de fertilizantes e para tornar os sistemas agrícolas mais sustentáveis ​​em termos do meio ambiente e das comunidades cujas economias dependem ou se beneficiam da agricultura.
Os agricultores e agrônomos, é claro, têm um papel importante a desempenhar na otimização da eficiência do uso de fertilizantes. As melhores práticas de manejo específicas do local e da cultura são essenciais para a implementação dos princípios 4R (aplicando a fonte certa de nutrientes, na taxa certa, na hora certa, no lugar certo), que nossa indústria promove. Pesquisas independentes e revisadas por pares para otimizar a absorção de nutrientes pelas plantas aumentam nossa compreensão do que funciona. Graças à adoção das melhores práticas de gestão de fertilizantes específicos para cada local e cultivo, a eficiência do uso de nutrientes de cultivo tem melhorado por mais de três décadas nos países desenvolvidos e uma década na China. As aplicações emocionantes da Agtech, desde a tecnologia de drones até microbianos e bioestimulantes, estão expandindo nossa caixa de ferramentas.
Essa ideia de “sistemas agrícolas” é extremamente importante para a sustentabilidade por causa da interação entre alimentos, mudanças climáticas, biodiversidade, meios de subsistência e assim por diante. Recomendo aos leitores que leiam o trabalho do Scientific Panel on Responsible Plant Nutrition. O cientista-chefe da IFA está entre seus membros.
Aumentar a eficiência do uso de nutrientes é um trabalho de melhoria contínua.

[GlobalFert] A situação pandêmica abalou o segmento de fertilizantes. Como o IFA foi impactada neste cenário?

[IFA] Em primeiro lugar, quero dizer que a pandemia de Covid-19 foi, e continua a ser, uma tragédia para milhões, especialmente para as pessoas mais pobres e vulneráveis ​​do mundo. Sim, temos a oportunidade de reconstruir melhor; ainda assim, não podemos esquecer o custo humano desta doença.

Para nós, como indústria, a pandemia reforçou nossa licença para operar, porque você deve se lembrar que havia medo de suprimentos insuficientes de alimentos. Isso levou muitos governos a aumentar o apoio à produção agrícola doméstica e a facilitar as importações de alimentos e rações. Nossos membros da IFA se destacaram, fazendo o que podiam para manter suas operações, manter seus funcionários seguros e servir suas comunidades de novas maneiras, como entrega de suprimentos médicos. Foi animador saber o que os membros da IFA faziam além da missão básica de seus negócios.

Para a IFA, nos concentramos no bem-estar de nossa equipe e na melhor forma de apoiar nossos membros. Em abril de 2020, lançamos um Centro de Informações Covid-19 para nossos membros, onde compartilhamos notícias relevantes do mercado global e da cadeia de suprimentos, desenvolvimentos de políticas regionais e atualizações das Nações Unidas e outras instituições multilaterais neste extraordinário all-hands-on-deck momento da nossa história. Como muitas organizações, usamos tecnologia em nossas reuniões e eventos estatutários, lançando até dois “primeiros” totalmente online – a 2ª Conferência de Sustentabilidade Global da IFA e nossa plataforma Smart & Green, que é uma ponte que conecta a indústria de nutrição vegetal e o ecossistema de startups .

[GlobalFert] Você vê novas tecnologias que terão impacto para 2021/2022 na produção / distribuição de fertilizantes?

[IFA] Com certeza. Assim como a tecnologia ajudou a melhorar a segurança alimentar no século passado por meio do processo Haber-Bosch, ela nos ajudará na corrida para mitigar as mudanças climáticas e proteger o meio ambiente. Muitos de nossos membros já estão trabalhando duro na eficiência energética de suas fábricas, captura e reaproveitamento de carbono. Alguns estão investindo em amônia verde e azul e hidrogênio. O surgimento do hidrogênio verde como matéria-prima sustentável para a produção de amônia e o potencial da amônia como armazenador e transportador de hidrogênio é um modificador de jogo, certamente após 2030.

Em 2022, espero ver o que vi em 2021 – anúncios quase mensais sobre outra empresa que está investindo nessa tecnologia ou em uma joint venture. Ao mesmo tempo, a economia desses métodos de produção de emissões quase zero emergentes é desafiadora, e é por isso que nosso presidente da IFA e presidente e CEO da Yara, Svein Tore Holsether, diz que nossa indústria não é tanto “difícil de abater”, mas mais de uma indústria “cara de abater”.

Felizmente, o ecossistema de investidores potenciais está se expandindo de fundos de risco de tecnologia climática e fundos de private equity verdes para bancos por financiar ativos verdes e até fundos de capital de risco corporativos internos. Também estou encorajado pelo recentemente publicado Ammonia Technology Roadmap da Agência Internacional de Energia, que é um guia de como os produtores de fertilizantes de nitrogênio podem reduzir até 90 por cento das emissões de CO2 da produção de amônia. O relatório, entre outras coisas, explica como os governos podem ajudar a acelerar o progresso, fornecendo concessões e subsídios que visam áreas de maior risco ou outras barreiras a serem superadas para projetos comerciais inéditos e infraestrutura compartilhada.

[GlobalFert] Quais são os maiores desafios que podem surgir para 2022 no setor de fertilizantes?

[IFA] Depois de superar as expectativas na pandemia Covid-19, o foco agora está mudando para a acessibilidade dos fertilizantes e se isso terá um impacto no consumo e na segurança alimentar, no próximo ano. Os desreguladores que vimos em 2021, ou seja, físicos, econômicos e geopolíticos, poderiam continuar em 2022 e manter a pressão sobre a acessibilidade dos fertilizantes. Esse é um desafio para os agricultores e para todos nós que estamos no negócio de ajudar a manter os alimentos nas prateleiras dos supermercados e barracas de mercado.

Considere o desregulador físico do abastecimento global, o clima severo, que fez com que os produtores de fertilizantes de nitrogênio e fosfato fechassem suas fábricas na região do Golfo dos Estados Unidos por várias semanas. Ou a economia de trabalhar para alimentar o mundo de forma sustentável em um mercado de energia apertado levou ao aumento dos preços da energia, especialmente na Europa. E por último, mas não menos importante, estão as rupturas geopolíticas. Várias decisões recentes do governo afetaram o comércio de fertilizantes, desde países que limitam as exportações para proteger o abastecimento doméstico (como na China, Rússia e Turquia), até tensões políticas que levam a medidas comerciais.

Há mais um grande desafio para o setor de fertilizantes. Felizmente, estamos à altura do desafio que é defender nossa licença para operar conforme a sociedade exige mais de nós. Já não é suficiente alimentarmos mais da metade do mundo – devemos fazê-lo de forma sustentável. Em 2017, a IFA conduziu um estudo de longo alcance para avaliar como essa indústria, com um histórico de investimento relativamente baixo em pesquisa e desenvolvimento, poderia se preparar para o futuro. Entre as conclusões estava que o setor deve ser voltado para a sustentabilidade. Avançando para 2021, 100 membros se ofereceram para fazer parte do nosso Comitê de Sustentabilidade, que definiu prioridades como iniciativas de redução de CO2 no lado da produção para programas de uso sustentável de nutrientes.

Sustentabilidade é uma oportunidade de criar valor – para negócios, comunidades e meio ambiente.

[GlobalFert] Você tem expectativa de aumento na produção de fertilizantes nos próximos anos?

[IFA] Publicamos nosso resumo Perspectivas de fertilizantes de médio prazo 2021-2025 no site público da IFA no início deste ano. Existem mais de 20 projetos na previsão de capacidade de nitrogênio da IFA, totalizando 14 Mt N para 2020-2025. A capacidade de ácido fosfórico deve crescer 3,6 Mt P2O5 nos próximos cinco anos.

Globalfert, 16/11/2021.


Versão da entrevista na íntegra, em inglês.

The International Fertilizer Association (IFA) is the only global fertilizer association, bringing together more than 400 members with a mission to promote the efficient and responsible production, distribution and use of plant nutrients. This mission plays a critical role in feeding the world sustainably. IFA members include fertilizer producers, traders and distributors, as well as their associations, service providers to the industry, research organizations, Agtech start-ups and non-governmental organizations.
Alzbeta Klein is IFA’s CEO and Director General. In her role, she is leading the global fertilizer industry towards creating and supporting productive and sustainable agriculture systems that contribute to a world free of hunger and malnutrition. In her previous roles, Ms. Klein led IFC/World Bank Group’s Climate Business, positioning IFC as a lead investor in green/ESG investments in emerging markets. Prior to this, she led IFC’s Agribusiness investments, Industrial investments and managed IFC’s $50bn investment portfolio in emerging markets.

Q1) How can we use fertilizers more efficiently, allowing more sustainable farming systems?

A1) People, data and technology are key to efficient fertilizer use and making farming systems more sustainable in terms of the environment and communities whose economies depend on or benefit from agriculture.
Farmers and agronomists of course have a leading role to play in optimizing the efficiency of use of fertilizers. Site- and crop-specific best management practices are essential for implementing the 4R principles (applying the right nutrient source, at the right rate, at the right time, in the right place), which our industry promotes. Independent, peer-reviewed research to optimize nutrient uptake by plants advances our understanding of what works. Thanks to the adoption of site- and crop-specific fertilizer best management practices, crop nutrient use efficiency has been improving for more than three decades in developed countries, and a decade in China. Exciting Agtech applications from drone technology to microbials and biostimulants are expanding our toolbox.
This idea of “farming systems” is critically important for sustainability because of the interplay of food, climate change, biodiversity, livelihoods and so on. I recommend readers look at the work of the Scientific Panel on Responsible Plant Nutrition. IFA’s Chief Scientist is among its members.
Increasing nutrient use efficiency is a job of continuous improvement.

Q2) The pandemic situation shook the fertilizer segment. How was the IFA impacted in this scenario?

A2) First, I want to say that the Covid-19 pandemic has been, and continues to be, a tragedy for millions, especially the poorest and the most vulnerable people in the world. Yes, we have an opportunity to build back better; still, we cannot forget the human cost of this disease.

For us as an industry, the pandemic reinforced our license to operate because you’ll remember there were fears of insufficient food supplies. This led many governments to increase support to domestic agricultural production and facilitate food and feed imports. Our IFA members stepped up, doing what they could to maintain their operations, keep their employees safe and to serve their communities in new ways such as delivering medical supplies. It was heartening to learn what IFA members did beyond the basic mission of their businesses.

For IFA, we focused on the well-being of our staff and how best to support our members. In April 2020, we launched a Covid-19 Information Center for our members where we shared global market and supply-chain relevant news, regional policy developments and updates from the United Nations and other multilateral institutions in this extraordinary all-hands-on-deck time in our history. Like a lot of organizations, we used technology for our statutory meetings and events, even launching two “firsts” fully online — IFA’s 2nd Global Sustainability Conference and our Smart&Green platform, which is a bridge that connects the plant nutrition industry and the startup ecosystem.

Q3) Do you see new technologies that will have an impact for 2021/2022 in the production/distribution of fertilizers?

A3) Absolutely. Just as technology helped to improve food security in the last century through the Haber-Bosch process, so will it help us in the race to mitigate climate change and protect the environment. Many of our members are already working hard on energy efficiency in their plants, carbon capture and reuse. Some are investing in green and blue ammonia and hydrogen. The emergence of green hydrogen as a sustainable raw material to produce ammonia, and the potential for ammonia as a store and carrier of hydrogen is a gamechanger, certainly after 2030.

In 2022, I expect to see what I saw in 2021 – almost monthly announcements about yet another company that’s investing in this technology or a joint venture. At the same time, the economics of these emerging near-zero emissions production methods are challenging, which is why our IFA Chair and President and CEO of Yara, Svein Tore Holsether says ours is not so much a “hard to abate” industry but more of a “costly to abate” industry.

Fortunately, the ecosystem of potential investors is expanding from climate tech venture funds and greening private equity funds to banks eager to finance green assets and even in-house corporate venture capital funds. I’m also encouraged by the International Energy Agency’s recently published Ammonia Technology Roadmap, which is a guide for how nitrogen fertilizer producers can reduce up to 90 percent of CO2 emissions from ammonia production. The report, among other things, explains how governments can help accelerate progress by providing grants and subsidies that target areas with the highest risk or other barriers to overcome for first-of-their-kind commercial projects and shared infrastructure.

In a nutshell, watch this space in 2022.

Q4) What are the biggest challenges that could arise for 2022 in the fertilizer sector?

A4) After outperforming expectations in the Covid-19 pandemic, the focus is now shifting to fertilizer affordability, and whether this will have an impact on consumption – and food security – in the coming year. Disruptors that we saw in 2021, that is to say physical, economic and geopolitical, could continue into 2022 and keep the pressure on fertilizer affordability. That’s a challenge for farmers and for all of us who are in the business of helping to keep food on supermarket shelves and market stands.

Take the physical disruptor of global supply, severe weather, which caused nitrogen and phosphate fertilizer producers to shut their plants in the US Gulf region for several weeks. Or the economics of working to feed the world sustainably in a tight energy market has led to soaring energy prices, particularly in Europe. And last but not least are the geopolitical disruptions. Several recent government decisions have affected fertilizer trade, from countries limiting exports to protect domestic supplies (such as in China, Russia and Turkey), to political tensions leading to trade measures.

There is one more major challenge for the fertilizer sector. Thankfully, we are up to the challenge which is to defend our license to operate as society demands more of us. It’s no longer enough that we feed more than half of the world — we must do it sustainably. Back in 2017 IFA conducted a far-reaching study to take the temperature on how this industry with a history of relatively low investment in research and development could get ready for the future. Among the conclusions was that the industry must be sustainability driven. Fast-forward to 2021 and 100 members volunteered to be part of our Sustainability Committee, which has set priorities such as CO2 reduction initiatives on the production side to sustainable nutrient use programs.

Sustainability is an opportunity to create value – for business, communities and the environment.

Q5) Do you have expectations of an increase in the production of fertilizers in the coming years?


A5) We published our summary Mid-Term Fertilizer Outlook 2021-2025 on IFA’s public web site earlier this year. There are more than 20 projects in IFA’s nitrogen capacity forecast, totaling 14 Mt N for 2020-2025. Phosphoric acid capacity is forecast to grow by 3.6 Mt P2O5 in the next five years.

Globalfert, 16/11/2021.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo