Mercado

A cobrança de ICMS sobre fertilizantes importados é defendida pelo sindicato

O grupo de trabalho do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) formado para discutir a renovação do Convênio 100 a partir de março de 2021 se reuniu nesta terça-feira, 15/12. O Sindicato Nacional das Indústrias de Matérias-Primas para Fertilizantes (Sinprifert) quer que o benefício seja revisado e busca apoio dos secretários de Fazenda para que os insumos importados tenham a mesma alíquota dos nacionais.

O diretor-executivo da entidade, Bernardo Silva, afirma que a indústria nacional tem plena capacidade de começar a atender o agricultor brasileiro e reverter a dependência das importações. Segundo ele, 90% dos fertilizantes usados no Brasil vêm de outros países, e a criação do Convênio 100 em 1997 foi o ponto de partida para essa situação. De acordo com ele, o Brasil é o único país no mundo a subsidiar importações de fertilizantes.

Fósforo no solo pode ajudar na economia de fertilizantes. Manejo de fertilizantes orgânicos pode otimizar aproveitamento do nitrogênio

Enquanto as importações são isentas de ICMS, os fertilizantes produzidos no Brasil são taxados de 4,9% a 8,4%, a depender de para onde estão sendo enviados. A Sinprifert defende a criação de um imposto único para todos os fertilizantes. O impacto para o produtor rural seria de 0,5% a 0,7%, o que seria posteriormente compensado pelo aumento na produção interna.

Canal Rural, 15/12/2020

Fonte da Image: pxhere

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 1 =

Botão Voltar ao topo