AnálisesMercado

Gás Natural impulsiona os preços dos fertilizantes nitrogenados – Globalfert

A commodity energética, essencial para produção de fertilizantes nitrogenados, vem passando por uma crise de abastecimento não só na Europa, mas em todo o mundo. Com os níveis de armazenamento baixos desde o último inverno europeu, já havia preocupações de especialistas com um possível cenário crítico no futuro, com preços cada vez mais elevados. Nos Estados Unidos, o preço também aumentou, em virtude da alta demanda da Europa e Ásia, com o aumento da procura do Gás Natural Liquefeito (GNL) para redução do uso de carvão como fonte energética. Além disso, a temporada de furacões no país também impulsionou o aumento no preço. No início de setembro, o furacão Ida atingiu a costa do Golfo do México provocando paralisações no fornecimento de gás.

O preço do gás natural europeu já vinha em uma crescente há alguns meses, diante de uma economia que se recupera no pós-pandemia e a demanda em ascensão. Porém, ao final de agosto a situação piorou, com o insumo apresentando um aumento de 12% de uma semana para outra. Na primeira quinzena de setembro, um incêndio de um estratégico cabo de eletricidade que conecta a Grã-Bretanha e a França agravou a situação de fornecimento. Dali em diante, foram aumentos contínuos, com o pico acontecendo entre a última semana de setembro e a primeira semana de outubro, com alta de 34,7%.

Os fertilizantes nitrogenados, que tem o gás como matéria-prima, registraram em setembro a importação de cerca de 1,3 milhão de toneladas, sendo 688,6 mil de Ureia, 283,4 mil de Nitrato de Amônio e 325,1 mil de Sulfato de Amônio. Esses números representam aproximadamente 90% do total de nitrogenados consumidos no Brasil, demonstrando a dependência do país do mercado externo. Nesse cenário, um aumento no custo de produção, como é o caso do gás natural, pode ocasionar em preços elevados e impactar os consumidores brasileiros.

A Rússia está no centro das atenções no fornecimento de gás para a Europa, representando cerca de 43% da chegada do insumo para o continente. Aponta-se o gás natural como um combustível ponte para a substituição de carvão e petróleo em uma era de controle ambiental. Atribui-se também como agravante para a situação do gás, a baixa na oferta do setor eólico, com uma temporada de falta de ventos, direcionando maior demanda para o combustível fóssil. Segundo a WindEurope, 15% da energia gerada na Europa em 2019 foi proveniente de eólicas. O presidente russo Vladimir Putin disse em pronunciamento que não haveria falta de fornecimento para o inverno, aumentando a expectativa de uso do mais novo gasoduto que interliga a Rússia e a Alemanha, o Nord Stream 2, administrado pela Gazprom. Porém, a pressão sobre os preços continua, com entraves políticos que dificultam sua operação, envolvendo a discordância dos Estados Unidos. O país alega que isso reforçaria os interesses russos e enfraqueceria o comércio de gás natural para a Europa

Globalfert, 20/10/2021

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo