Negócios

GPCA – Agri-Nutrients Conference

Especialistas da OCP comentam sobre tecnologias disruptivas que podem afetar o mercado de fertilizantes

Em uma palestra ministrada por Gaurav Sharma (Gerente de desenvolvimento de negócios – OCP SA.) foram abordadas as tecnologias disruptivas que podem afetar o mercado de fertilizantes.

Segundo os participantes, a população mundial vem crescendo rapidamente e é esperado que atinja a marca de 10 bilhões de pessoas até o final de 2050, isso causa preocupações quanto a produção de alimentos, visto que a demanda deve seguir solidamente os aumentos da população. E com isso, com o aumento no número de pessoas, também é esperado um crescimento na procura por específicos tipos de alimentos devido ao aumento do consumo da classe média.

Países europeus estão investindo na produção sustentável e obtiveram resultados positivos como a redução de 50% da perda de nutrientes, se prevê também redução da utilização total de fertilizantes em 20% e pesticidas em 50% até 2030.

A China aplicou políticas agrícolas em 2020, que resultou em cultivos com zero utilização de fertilizantes e pesticidas em grandes produções, incentivando economicamente o uso de adubos orgânicos e biológicos.

Os Estados Unidos esperam um aumento de 40% na produção interna agrícola até 2050, queda de 30% na perda de nutrientes aplicados, junto à uma redução de 50% em impactos ambientais ligados a agricultura.

Seguindo essa demanda de grandes potencias na produção sustentável, alguns setores da agricultura possuem participações assíduas como a agricultura de precisão, que reduz a utilização de fertilizantes e defensivos, aplicando precisamente onde realmente é necessário. O cultivo em ambientes controlados também está tomando destaque e permite a aplicação mais rápida de novas tecnologias sustentáveis, aumentando a economia na utilização de água e químicos e incrementando a qualidade final do produto. Se observa também fortes movimentos na indústria na produção de biofertilizantes, que permitem o maior acesso das plantas cultivadas em nutrientes existentes no mesmo bioma. Esse produto tem se demonstrado muito valioso e deve reduzir a necessidade de fertilizantes em 30% em cultivos tradicionais.

Indústrias tem investido no desenvolvimento de novos produtos seguindo as tendências de utilização. A Yara por exemplo adquiriu a Ecolan para expandir a participação no mercado de fertilizantes orgânicos. A Nutrien lançou um programa de carbono para fornecer suporte para agricultores aumentando a sustentabilidade e aumentando a obtenção de lucros.

Companhias também vem aumentando a produção de amônia azul e amônia verde, fornecendo para grandes potências como Estados Unidos, Japão e Austrália, mas ainda se observa fortes desafios para uma substituição mais concreta causado pelo custo elevado de produção, e preços inadequados no mercado internacional.

Globalfert, 16/09/2021.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × cinco =

Botão Voltar ao topo